Governador da Califórnia seguirá no cargo, projetam agências após votação recall no estado

0
12


66% dos eleitores votaram para que ele permaneça no cargo; AP, Reuters e a CNN Internacional projetam vitória do democrata. Gavin Newsom, governador da Califórnia
Mike Blake/Reuters
Agências internacionais de notícias projetam que o democrata Gavin Newsom seguirá no cargo de governador da Califórnia, após votação de recall realizada nesta terça-feira (14).
Com 62% das cédulas apuradas, Newsom estava à frente por 32 pontos percentuais: 66% dos eleitores dizendo que ele deveria permanecer no cargo e 34% dizendo que ele deveria ser removido. Associated Press (AP), Reuters e a CNN Internacional projetam vitória do democrata, que permanecerá no cargo até o término de seu mandato, em janeiro de 2023.
O resultado oficial ainda levará alguns dias para ser divulgado e só será certificado em outubro.
Newsom já festeja vitória. “Os eleitores disseram sim à ciência, à vacina, ao direito de votar sem medo, à diversidade, à inclusão e aos direitos das mulheres”, afirmou.
Entenda por que há eleição de ‘recall’
As regras eleitorais da Califórnia permitem esse tipo de “recall” – recentemente, houve mudanças na legislação que facilitaram a convocação desse mecanismo: é preciso reunir o equivalente a 12% dos eleitores que participaram da última votação.
Para a chamada pública de Newsom, foi necessário reunir a assinatura de 1,5 milhão de eleitores (a Califórnia tem 40 milhões de habitantes).
A campanha para revogar o mandato de Newsom ganhou força com os conservadores, que discordam de políticas sobre direitos dos LGBTQI+, crime e imigração. Eles ficaram ainda mais contrariados com a gestão da pandemia (escolas foram fechadas e há obrigatoriedade de máscaras e vacinas).
Newsom foi eleito em 2018. Ele obteve quase 62% dos votos sobre John Cox, que recebeu 38%. O resultado não surpreendeu, pois a Califórnia tem uma tendência de esquerda na política americana. Os membros do Partido Democrata superam os do Republicano em uma proporção de dois para um.
A votação foi o primeiro embate nas urnas entre republicanos e democratas desde a conturbada eleição presidencial de 2020. A vitória dos democratas já era esperada, pois o partido tem mais eleitores registrados no estado.

Fonte: G1 Mundo